3.2.12

2 de fevereiro, festa de Iemanjá em Salvador da Bahia

Fui outra vez na festa maravilhosa do Rio Vermelho aqui em Salvador, sozinha mesmo, eu fui e me diverti, me emocionei, levei a rosa branca no balaio para agradecer à Rainha do Mar, pedi proteção, coloquei os pés no mar, comi acarajé da Dinha, me espremi na multidão, dancei, fiz muitas fotos e alguns filminhos. Difícil é selecionar só algumas das mais de 200 imagens que captei. Quem disse não dá pra ser feliz sozinho?

aproveito as pequenas felicidades que aparecem...
vesti azul e branco, usei meu ilekê de Oxum para ela não ficar enciumada
e lá fui eu! Odoya!

Iemanjá é festejada em vários lugares no Brasil inteiro, a festa maior é essa da Bahia, são lindas as demonstrações de carinho pela Orixá a beira-mar em todo o litoral. Ela recebe vários nomes: Janaína, Inaê, Princesa de Aiocá e Maria.

imagem de Iemanjá no altarzinho na praia dos pescadores
antes de sair para o mar em mais um dia de trabalho, o pescador pede proteção

É a única festa baiana que não tem origem no catolicismo e sim no candomblé. São várias versões da origem dessa festa no 2 de fevereiro na praia dos pescadores do Rio Vermelho, conta-se que ali foi tirada do mar uma sereia, e depois disso houve abundância de peixes, por isso o agradecimento com presentes para Iemanjá, a sereia, rainha do mar, a mãe de todos os orixás. Os presentes são flores, espelhos, pentes, perfume (água-de-cheiro seiva de alfazema) para a vaidosa Iemanjá.

o presente principal, feito por artistas plásticos, fica no caramanchão ao lado da Casa de Iemanjá, os balaios vão sendo cheios de flores e presentes levados pelas pessoas que enfrentam uma grande fila (eu levei mais de 1 hora na fila debaixo de sol forte), depois os balaios são colocados em barcos e levados a 400 metros da praia

dentro da caixa do presente principal vão as comidas para Iemanjá : manjar branco, bolo de arroz, cuzcuz de peixe, cocada branca, tudo bem arrumado e decorado como é de gosto da orixá

barquinhos com bilhetes, no maior capricho

a frente do presente principal

deixei minha rosa, agradecendo e pedindo proteção

na fila, quase chegando

tanto tempo na fila, fui clicando pra tudo que é lado!

baianas com lindas roupas

na cara que são turistas, é ou não é? com fé Iemanjá protege à todos!

no caramanchão o perfume de seiva de alfazema é forte no ar, todos que entram recebem um banho

esses senhores, na entrada do caramanchão me deram um banho da água-de-cheiro

repórteres fazendo matéria para a tv, ficou bem bacana
para ver clique aqui

"Conta que se Iemanjá aceitar a oferta dos filhos marinheiros é que o ano será bom para as pescarias, o mar será bonançoso e os ventos ajudarão aos saveiros; se ela o recusar... ah! as tempestades se soltarão, os ventos romperão as velas dos barvos, o mar será inimigo dos homens e os cadáveres dos afogados boiarão em busca da terra de Aiocá". Se quiser saber sobre a história da festa de Iemanjá, clique aqui.

do caramanchão os balaios são levados à praia para serem embarcados
vão para bem longe no mar... que Iemanjá aceite!

durante o dia inteiro os terreiros festejam na areia da praia

ao fundo a Casa de Iemanjá (telhado baixo sobre as pedras)

as 4 da tarde os barcos carregados de flores saem para o mar
mas durante o dia todo muitas embarcações levam as pessoas para fazer sua oferta

céu azul, mar azul, tudo perfeito para a rainha do mar

desci para por os pés no mar e me mostrar pra orixá

tem muitas pedras em volta da Casa de Iemanjá, as pessoas vão pelas pedras se molhar no mar

na areia, pais e mães de santo dão bençãos com ervas e cheiros, axé!

no asfalto também tem!

igreja do Largo de Santana, parte central da festa

em frente ao Largo de Santana fica a Casa de Iemanjá sobre as pedras

onde acontece a muvuca

Na festa do Largo de Santana em frente à praia dos pescadores tem de tudo nas festas atualmente, gente de todo jeito, de todas as tribos, variadas comidas e bebidas, música de tudo que é tipo, desde os cantos do candomblé na areia da praia até sertanejo, acreditem! passando inclusive pelo rock, reggae, muita batucada, arrocha, pagode, samba, axé, tem pra todos os gostos, até techno tem! É uma mistura que deixa tudo bonito, pelo menos aos meus olhos, porque tem quem não goste, eu adoro tudo isso!
Escolhi algumas fotos para tentar dar uma ideia do que é esta festa grandiosa de fé e alegria. Sou católica, respeito todos os credos e aproveito o que tem de ensinamento em cada um, o candomblé nos ensina muito sobre a convivência, o respeito aos antepassados e à nossa origem, a família é essencial. Além do mais gosto de ver rituais, sejam eles de que religião for, são sempre emocionantes, e se tem festa, melhor ainda!

a polícia de Salvador está em greve há dias, mas eu vi muito policiamento ostensivo
a festa foi tranquila, o agito foi só pela alegria

gente, gente... muita gente!

muitos tipos interessantes que atraem o olhar

uma infinidade de coisinhas coloridas nos são oferecidas aos quatro cantos

olha, não dá mesmo vontade de ir embora desse lugar!
só que depois de quase 6 horas caminhando ou em pé, meu joelho já estava gritando

então eu tive a brilhante ideia de cortar caminho para ir até onde eu pegaria o ônibus
olha só onde me enfiei!

A rua que sai do largo do aracajé da Dinha e vai para a avenida estava apinhada, levei um tempão para atravessar e fui amassada, espremida, até que decidi encostar numa kombi, uma familia de baianos magrinhos teve a mesma ideia, mãe, filha pequena e um casal de velhinhos, alí ficamos nem sei quanto tempo até podermos sair, foi cheiro de tudo que é coisa passando pelo meu nariz!...kkkkk... mas faz parte de festa popular, quem não suportar isso não pode ir num lugar como esse.

Fiz uns videozinhos, a imagem em movimento mostra melhor o clima, apesar de serem sem qualidade, dá para ver como é um pedacinho da festa

na areia da praia por volta do meio-dia

começando o baile no final da tarde


Fim da festa para mim e para essas lindas negras nas suas alvas vestes... ano que vem tem mais!

*

Editei esse post para fazer uma observação, eu havia pensado nisso, acabei não escrevendo, mas agora vai: a festa é linda, mas tem o lado feio, bem feio, o lixo que tudo isso faz, embalagens, copos descartáveis, latinhas pelos cantos, e ainda os objetos jogados no mar. Flores em balaios são da natureza, podem ir para o mar a 400 metros de distância, o problema são os outros objetos que vão junto. Talvez a religião precise se atualizar conforme as necessidades do nosso tempo, os governantes e administradores precisem tomar mais conta da cidade e as pessoas devem ter consciência para não sujar tanto o lugar onde vivem. O tempo todo fiquei pensando por que a prefeitura não coloca enormes cestos de lixo, ou containers mesmo por todo o bairro da festa. Procurei muito por lixeiras e quando encontrava estavam transbordando. Fiquei pensando que se fosse exigido que a pessoa que for vender alguma coisa na festa, tivesse uma lixeira ao lado, facilitaria muito, porque não adianta a gente não querer jogar lixo na rua se não encontramos onde colocá-lo. Pois bem, que haja festa, muita festa porque devemos festejar a vida, mas com organização para que não tenha esse lado feio. Vem ai o carnaval, sabemos que o mar de Salvador sofre com a montanha de lixo jogada nele, principalmente na Barra, alguma medida precisa ser tomada.

*

9 comentários:

Lu Saharov disse...

Ju...está lindo seu blog! É emocionante ler você e ver as fotos! Parece que a gente está lá, vivendo toda essa beleza, sentindo essa energia e reverenciando a Iemanjá! Grande beijo, minha querida e obrigada por partilhar tudo isso com seus assíduos leitores, entre os quais eu me incluo!

Adri Magre disse...

Que bacana, Ju.
Nunca esqueci uma festa que presenciei aqui na Praia Grande, em frente à Estátua de Iemanjá, quando era criança (nossa, deve fazer mais de trinta anos que não vou lá).
Uma moça muito bonita, estava tendo os cabelos cortados para serem oferecidos para Iemanjá.
Mas como a religião também tem que evoluir e contribuir para a sociedade, acho que as oferendas deveriam ser apenas simbólicas e, no mar, só o que a natureza absorve, né? Certinha você que pôs uma flor.
Beijocas

ana marttini disse...

jussara!!!!!!!!!!!!!!! lindo blog. tudo, fotos, video, me emocionei,,,,

£èoª Fogaça disse...

Caramba, ju...post pra ser degustado um pouquinho de cada vez, pois cada centímetro da tela é imperdível...virei aqui todo dia até que chegue dia 9...até lá suas imagens serão minha área de trabalho, pois que lindas o suficiente para acenarem por mim à rainha do sagrado mar...obrigada por presentear-nos com essa pérola preciosa de postagem...abraço fraterno...

Allan Robert P. J. disse...

Realmente o lixo é um problema nas festas populares, que refletem a cultura do povo (inclusive o hábito de não se importar com o lixo).

Na verdade bateu uma vontade de comer um acarajé.

:)

Alicia disse...

COINCIDI UN DIA DESPUES EN UNA PLAYA DE MONTEVIDEO...
ES QUE LO HACIAN POR LA NOCHE Y YO FUI AL DIA SIGUIENTE.
Y TENIAN LA PLAYA CON LAS COSAS QUE TRAJO EL MAR .ME GUSTARIA ESTAR VIENDOLO.
UN SALUDITO

Ilaine disse...

Oi, flor!
Olá, dona Bonita!

Iamgino a festa... deve ser inesquecível. Pena que tem este problema do lixo, não é?

Beijo no coração

Rita de Cássia - Ribeirão Preto disse...

Olá Jú....Adorei o seu blog, e ilustrou o que eu estava buscando...pois estou indo à Salvador agora dia 31/01 e coincidentemente vou estar aí no dia dessa linda festa....Estarei indo sozinha mas com certeza e como vc mesma falou "Quem disse que sozinha não conseguimos ser feliz" se vc quiser companhia esse ano, podemos combinar de ir juntas. Um beijo grande, e até lá.

Fábio Mayer disse...

Belas fotos!