12.10.11

como era ser criança na minha infância


Como podem notar, pela data da foto, faz muito tempo que fui criança! 
Algumas blogueiras combinaram de fazer uma blogagem coletiva sobre como éramos crianças, em comemoração do Dia das Crianças.


Nossa! Faz mais de meio século! Como passa o tempo! Passe o tempo que passar, o que vivemos continua dentro de nós, está registrado e foi tudo que vivemos que nos faz ser o que somos hoje.
Sou a primogênita, tenho dois irmãos, nasci e cresci no interior de São Paulo, um lugar que era pequeno então, a minha infância foi de brincadeiras na rua, nos quintais, nada de shoppings ou brinquedos sofisticados, muitos brinquedos era meu pai que fazia, mesmo assim, brinquedos eram presentes apenas no aniversário e no Natal, não tinha "Dia das Crianças" quando eu era pequena.
Nos sábados e domingos à noite minha mãe nos arrumava, meu pai vestia terno e chapéu e saíamos à noite para passear, algumas vezes eram visitas a parentes e amigos, as pessoas costumavam se visitar e papear enquanto as crianças bincavam. Um dos meus passeios preferidos era quando íamos olhar as vitrines, principalmente quando estava chegando o Natal. Entrávamos em todas as lojas iluminadas, elas estavam fechadas, porque naquele tempo o comércio não abria à noite, exceção no mês de dezembro. Olhávamos as vitrines da Papelaria Almeida, da Casa Roberto Martins, da Galeria dos Presentes, Papelaria Osiris, Casa Scherma, chegávamos até a praça onde passava o trem da Central do Brasil, era onde as moças faziam o footing. Algumas vezes parávamos para comer pizza no Trianon, até hoje não me esqueço do sabor daquela pizza feita em forno a lenha, o Roque de paletó branco e gravata borboleta nos servia, essa é uma lembrança gostosa que tenho. Quando voltávamos para casa era obrigatório uma parada na Fabrica de Biscoutos Jacarehy, que já estava de portas fechadas, mas tinha um portão ao lado em que entrávamos  para pegar o pão quentinho, cheiroso, saindo do forno a lenha, e caminhávamos até em casa lambiscando o pão.
Acho que as pessoas mais lembram da infância, até mais que as férias, são dos tempos de escola, eu pelo menos tenho bem vivas as lembranças do grupo escolar, dos professores, dos colegas, das salas de aula, do pátio, da sala da diretoria! Eu adorava o leite que era servido no recreio, sinto o gosto dele até hoje!


Foi bem difícil meu primeiro dia de aula, "me lembro como se fosse ontem", e olha que lá se vão cinquenta e dois anos! Eu fazia birra e chorava porque não queria entrar na escola, agarrava na roupa da minha mãe, hoje eu acho que era porque meu irmão mais novo nasceu uns dias antes de começarem as minhas aulas, só pode ser isso. Teve um dia que fiz tanto escândalo que minha mãe voltou comigo para casa, muito brava, me fez sentar numa mesa em frente à janela do quarto e copiar as lições da cartilha até onde eu tinha aprendido, "Caminho Suave", A de abelha, B de bacia, C de cebola... assim passei a tarde e enchi um caderno. No dia seguinte quando cheguei na escola a professora me passou na frente da classe e assim continuei até  o fim do ano, sempre com lições na frente da turma, ganhei uma medalha de honra ao mérito por ter passado em primeiro lugar para o segundo ano!
A escola era praticamente na frente da minha casa, só atravessar a rua, era no outro quarteirão, eu estudei o primeiro e segundo ano à tarde e algumas manhãs por semana fazia aulas de piano no conservatório que ficava na frente da escola. Desse prédio tenho lindas lembranças, do papel de parede, dos lustres, da pintura no teto e da caveira!! sim! tinha um esqueleto que ficava numa vitrine num dos corredores, era assutador, mas a criançada adorava ir ver.
Falando em assutador, um fato que marcou minha infância foram as aulas de catecismo e as procissões, a igreja e os santos, a missa era rezada em latim, os padres eram velhos e a gente tinha que ir confessar que brigou com o vizinho! eu lá sabia o que era pecado com 7 anos! Aos domingos ia à missa com minha avó e minha tia, elas sempre se sentavam no primeiro banco ao lado de um altar que tinha na parte de baixo o Nosso Senhor morto com a coroa de espinhos e gotas de sangue pela testa, todo vestido de roxo. Puxa, essa imagem me perseguiu um bom tempo, na minha fantasia, quando eu chegava em casa depois do catecismo, já era escuro, depois das 7 da tarde, eu "via" Jesus descendo a escada - no prédio que eu morava tinha uma escada ao lado da porta do nosso apartamento que era no térreo - ele descia com a cruz nas costas. Foi um tormento essa época!
Nossa casa era perto do rio, meu pai ia pescar, a gente brincava com girinos, ia na prainha, brincava com os lambaris quando voltávamos pra casa, os mesmos que iam ser recheios dos bolinhos caipiras que minha mãe preparava. De noite os adultos sentavam na frente das casas e a criançada brincava na rua de roda, de pular corda, pega-pega, estátua, passa-anel, barra-manteiga. Na época de festa junina tinha fogueira e balão. Nos aniversários tudo era feito em casa, dos salgadinhos ao bolo, os enfeites eram simples, minha avó fazia bala de côco que era enrolada no papel de seda picotado em franja, guaraná caçulinha, pronto, estava feita a festa! Os presentes eram abertos na hora, colocados em exposição sobre a cama e o papel do presente embaixo da cama (que era uma simpatia para receber mais presentes), os adultos ficavam na sala e as crianças na rua! Ah... a rua era muito presente, tudo acontecia lá!
Com 7 anos eu andava sozinha pelas ruas, ia até a casa da minha avó, das minhas tias, era só tomar cuidado com os andantes, que eram homens que apareciam na cidade vez ou outra, vindos sabe-se lá de onde, carregava um saco ou uma mala, e eram o terror da gente. Tirando isso, nenhum outro perigo, a não ser esfolado nos joelhos, arranhões por subir em árvores ou muros, unha do pé machucada no velocípede...
Eu era feliz e sabia! Brinquei muito de casinha, de escolinha, de médico!...hehe... tive uma infância bem movimentada, pelo que me lembro, eram muitas crianças na vizinhança, tinha os amigos da escola, os primos, as viagens nas férias para a praia, para o sítio, para São Paulo na casa da minha avó e de meus tios, muitas festas e passeios, só boas lembranças!

este filme foi feito pelo meu tio, eu tinha 8 anos, em 1960
no filme aparecem também meus irmãos e primos
foi no jardim da casa do meu tio no bairro de Perdizes e na calçada em frente à casa da minha avó no Brás, em São Paulo

Ser criança na minha infância era muito diferente de ser criança hoje, principalmente para mim que vivia numa cidade pequena, a primeira televisão meu pai comprou quando eu tinha 7 anos, antes disso a gente ouvia rádio à noite. Na frente de casa tinha um terreno grande onde eram montados os parques de diversões e circos que passavam pela cidade, então à noite tínhamos "programa" sem sair de casa, era só olhar pela janela e dormir com as músicas da "cabine de som" do parque.
Começo escrever e vou me lembrando de um monte de coisas, só que é melhor parar por aqui porque o post está ficando muito longo e vocês não vão nem querer ler!

*

7 comentários:

Anônimo disse...

Adoro seus post enormes gostosos de ler.

Adorei
Marlene PR

Vicky disse...

Que preciosidade esse filme Ju!! E otima qualidade! Beijos! Vicky

Eduardo Gehrke disse...

Gostaria de ter uma memória deste tamanho. Será que quando eu for mais velho vou lembrar os detalhes da minha infância?

Inês disse...

Ju

Que nada, gostei muito de ler, você escrevia, eu recordava-me da minha também, com meus medos (como era assustador, as coisas da igreja!!!), a gente saber que Jesus havia sido cruxificado, era aterrador! As procissões, às vêzes viamos um filme em telão (isso foi na Lapa de Baixo) sobre algo da igreja, eu fui ao catecismo bem mais tempo do que as crianças foram, pois meus pais foram diretores e professôres na Igreja da Lapa, fui batizada e fiz primeira comunhão (com 5 anos, por isso li desde essa idade). Mas não podia brincar na rua, tinha muito movimento de ônibus.
Muitas recordações, muitas alegrias, um passado gostoso....
FELIZ DIA DAS CRIANÇAS PARA VOCÊ

Bjs
Inês

Lu Saharov disse...

Ai Ju...que delícia ler suas memórias,e que lindas crianças vocês foram! Saudades de minha infância também...e de meus pais e avós que há tanto já se foram...Beijão, amiga!

Desconstruindo a Mãe disse...

Menina, desculpa, eu tinha colocado errado teu link no post que reunia os blogs participantes e só consegui arrumar agora, pois fiquei sem computador.

Adorei teu post e gosto quando vejo que as pessoas conseguem lembrar de detalhes, acho que as histórias ficam muito mais interessantes!

Espero que tenhas gostado da experiência dessa blogagem e que tenhamos muitas outras oportunidades de trocar figurinhas!

Beijo,
Ingrid

Larissa Banister disse...

Oi Juju, já tinha visto seu blog antes, vim parar aqui de novo e comecei a ler páginas e páginas. Primeiro me deu vontade um dia de ter uma vida tropical com meu marido inglês no Brasil (quem sabe na Bahia linda?), depois fiquei encantada com esse vídeo, uma verdadeira relíquia de família! Beijos